terça-feira, 21 de outubro de 2008

Fogaça e a união da direita


Do blog Aldeia Gaulesa (grifos, como sempre, meus).

Tem coisas que nem mesmo os melhores marqueteiros podem esconder. Uma delas é sobre a verdadeira “cara da mudança” que o prefeito Fogaça tenta emplacar nessa eleição. Mesmo toda maquiagem, jogos de câmeras e efeitos especiais não conseguem esconder a apatia e falta de disposição e energia do atual prefeito. Eles bem que tentaram, mas não estão conseguindo convencer.

Outro aspecto que em não estão obtendo sucesso é sobre qual projeto político eles representam. Ainda que tentem se colocar, de forma pendular, como um governo camaleônico, em sintonia com Lula e com todos, a verdade é que desde a montagem do atual governo, e principalmente na busca dos apoios para o segundo turno, o que se vê é a velha política tradicional do “toma lá da cá” prevalecendo.

Há quem diga, inclusive, que já contando como ganha a disputa eleitoral, eles já teriam feito o rateio dos espaços que cada um dos partidos ocuparia na segunda gestão. O interesse público e técnico ficando completamente esquecido.

Mais do que isso, Fogaça representa o conjunto dos setores mais reacionários e de direita gaúcha. Ainda que conte nas suas fileiras com alguns elementos que poderiam ser classificados como “progressistas”, como o PDT, vale lembrar que este partido em Porto Alegre jamais esteve alinhado com a esquerda, sempre esteve engrossando as fileiras do “anti-petismo”. Além de ter sido protagonista, na secretaria de juventude do Fogaça, de um escândalo de corrupção envolvendo cifras que ultrapassam 12 milhões de reais.

A última prova cabal do que representa Fogaça foi o anúncio do apoio da Governadora Yeda. A pior governadora da história recente do Rio Grande do Sul, se engaja na campanha que promete reeditar a aliança que levou a nossa cidade e está levando o nosso estado a um retrocesso sem precedentes. Enquanto o país cresce, vemos a nossa província ir no caminho inverso. Cabe agora garantir que no próximo dia 26 de outubro o povo barre este ímpeto da direita e recoloque a nossa cidade no caminho das mudanças e da transformação.

3 comentários:

  1. Cristiano,
    o argumento que tu usas para bater no Fogaça é o do clientelismo praticado pelos partidos de "direita" na composição da chapa situacionista. Porém, não podemos nos prender muito a isso, já que essa é uma tendência comum na prática de todos os partidos, inclusive o PT (em âmbito federal, isso fica mais claro).
    Essa é uma vala cavada pelo nosso sistema político inoperante.
    Bom ressaltar o que tu mesmo citaste: o próprio PMDB está junto com o PT no governo Lula. Acho que esse argumento não é mais útil para nada.
    Por isso tudo votei em Luciana Genro no 1º turno. E, agora, voto nulo.
    Abs

    ResponderExcluir
  2. Tambem votei em Luciana, e agora votarei em Rosário só para o Fogaça não ganhar.

    Acho os dois candidatos deste segundo turno de uma mediocridade ÍMPAR. Nos debates, isto é gritante: não há propostas, projetos para cidade, apenas discussões vazias e mistificadoras.

    Esse texto não é meu, puxei do Aldeia Gaulesa. Também tenho plena consciência das safadezas do PT.

    abraço!

    ResponderExcluir
  3. cris,
    passei por aqui rapidinho, mas volto. Gostei do que vi.

    e qnt ao cenário político é tão desmotivente quanto a nossa faculdade...

    enfim
    bjo

    ResponderExcluir