sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Sucateamento do transporte público na Zona Norte

Eu nasci e me criei na Zona Norte. Até os 20 anos, morava no Leopoldina, um dos muitos bairros da região pelos quais passa a avenida Baltazar de Oliveira Garcia, que se estende desde o Triângulo da Assis Brasil até o arroio Feijó, na divisa com Alvorada.

As obras do corredor de ônibus dessa via, responsabilidade do governo estadual, avançam lentamente, e não se sabe ao certo quando serão concluídas. O transtorno causado ao comércio da região é notável quando se percorre de ônibus a dita avenida. Resultado: pouco movimento nas lojas e queda no faturamento dos comerciantes.



Do blog Buracos da Baltazar:

O vereador Adeli Sell (PT) nos encaminha algumas respostas da prefeitura com relação aos Pedidos de Providências que este encaminhou sobre o transporte coletivo de nossa capital.

PP nº 2456/08 "a inclusão de mais linhas de lotação está limitada à legislação", e que, "quanto ao atendimento por ônibus a Empresa está trabalhando no aumento da tabela horária da Linha 727 - Agostinho-Sertório."

Isso mostra a inoperância da prefeitura em enviar projetos e a boa vontade de criar outras linhas para melhor atender a população.

PP nº 848/08 "a Faixa de Segurança só é adotada nas esquinas junto aos cruzamentos ou quando existe pólo gerador onde a travessia é concentrada com grande volume de pedestres", e que, "as travessias na Rua Bernardino Silveira Amorim com a Av. Assis Brasil ocorrem, conforme contagem, de forma eventual e dispersa, o que, no momento, não exige Faixa de Segurança".

Isso quer dizer que precisa haver uma grande tragédia no local para que o Prefeito se digne a pintar uma Faixa de Segurança no local. Essa demanda foi encaminhada pela comunidade.

PP nº 1557/08 "desde 21/07/2007, a Linha T11-3ª Perimetral foi estendida até a Av. Cavalhada quase esquina com a Av. Juca Batista", ainda, que "os usuários que vêm da zonal Sul e têm a necessidade de se utilizar da Linha T11 para se deslocar à zona Norte ou até o Centro, são atendidos pelas linhas da STS, e podem fazer a integração na Av. Cavalhada, Av. Nonoai, e Av. Teresópolis", mais, que "os usuários que não têm uma linha que os leve diretamente em seus destinos, devem necessariamente integrar com outra, nos pontos de intersessão ou tangência, pagando duas tarifas".

Isso nos mostra a total falta de compromisso com o transporte público e com as comunidades que necessitam atravessar a cidade. E pior, ainda afirmam que terão que pagar 2 passagens.

PP nº 2241/08 "o cruzamento da Av. Adelino Ferreira Jardim com a Av. Wolfran Metzler é fiscalizada diariamente por meio de rondas das viaturas".

A comunidade nunca viu uma viatura sequer lá nas voltas do Assum, esta demanda foi de mais de uma dezenas de pessoas do Rubem Berta, que sofrem com o desrespeito ao semáfaro lá existente.

PP nº 955/08 "o Planejamento do Transporte Coletivo segue critários técnicos de dimensionamento", "a quantidade de viagens a serem realizadas depende das características da linha como extensão, tipo de linha, demanda diária, pico e capacidade da frota, entre outras", "se monitorou a Linha 624 - São Borja durante determinado período e se constatou que a programação atual está adequada a demanda", "desta forma, após estudos e fiscalização realizados, se verificou que a Linha 624 - São Borja se encontra dentro dos critérios técnicos adotados e bem dimensionados."

A que horas será que eles foram fazer esse estudo, se é que fizeram. Pois a comunidade daquele local reclama quase que diariamente dos atrasos e da superlotação, tanto pela manhã no sentido bairro-centro, como no sentido inverso após às 17 horas.

3 comentários:

  1. Lembra quanto tempo demorou a obra do Terminal Triângulo?
    Eu lembro: pelo menos uns sete anos.
    Não duvido que aconteça o mesmo com a Baltazar.

    Sobre a Wolfram Metzler, acho até engraçado o Adeli Sell falar que é algo bom a prefeitura estar rondando aquele lugar. Não fazem mais que a obrigação, já que o lugar é considerado um dos mais violentos de Porto Alegre, a ponto do B-51 nem parar mais nas paradas ali perto.

    Resumidamente: mudou alguma coisa em Porto Alegre com a mudança de gestão? Não!

    Abraço!

    P.S.: Parnasianismo é o caralho! É mal-do-século ou a morte (se bem que dá na mesma, né...).

    ResponderExcluir
  2. Eu conheço bem essa zona, já morei no bairro vizinho. A rua Wolfram Metzler é dentro da Cohab Rubem Berta, um dos bairros mais violentos de Porto Alegre. Um conjunto habitacional totalmente favelizado, com toque de recolher à noite.

    ResponderExcluir
  3. Transporte público, uma solução comum que favorece a maioria. Vejam o que estão fazendo para melhorar o nosso sistema de transporte público. www.onibusrecife.com.br

    ResponderExcluir