sábado, 11 de outubro de 2008

Barganha política ameaça os pampas

Empresas em expansão no RS destinaram R$ 2 milhões a candidatos em 2006, dos quais R$ 500 mil foram para a campanha de Yeda Crusius

Foto: Fazenda da Aracruz, em Ponta das Canas, no município de Santa Margarida, RS.


"Porto Alegre – Com contribuições de campanha para dezenas de políticos e a promessa de investimentos de R$ 10,7 bilhões em cinco anos, três grandes empresas produtoras de celulose invadiram a metade sul do Rio Grande do Sul com florestas de eucaliptos, modificando a paisagem, os hábitos e a economia do pampa gaúcho. As papeleiras foram recebidas de porteiras abertas pelo governo do estado e pelos prefeitos da região, interessados na geração de empregos, renda e impostos. As relações com o meio político do estado foram azeitadas com doações no valor de R$ 2 milhões nas eleições de 2006, sendo R$ 500 mil para a governadora Yeda Crusius (PSDB)."

[trecho de reportagem de Lúcio Vaz, publicada no site do Correio Braziliense em 01/06/2008, com grifos meus]

Em breve, pretendo me estender um pouco mais sobre a cobertura que a mídia local (leia-se Grupo RBS) tem feito sobre a monocultura de celulose e as papeleiras.

Um comentário:

  1. Meu amigo Muniz. Só poderia vir de tão nobre pessoa esse sentimento de amor à terra`, à nossa gente e à nossa cultura. Descobri este espaço neste Sábado chuvoso de primavera e já estou encaminhando e recomendando este abençoado espaço para os emails de amigos e parentes e conhecidos. Estamos unidos nessa causa, e com muita serenidade e intensidade vamos reverter esse processo de florestamento. Temos de despertar as consciências. Obrigado por defender o pampa, a nossa mãe terra, lugar em que fui criado. Me emocionaste hoje! E certamente vais tocar o coração dos que amam o chão em que pisam! Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir