quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Quem, afinal, está por trás do projeto do Pontal do Estaleiro?

Release enviado à imprensa pela jornalista Clarinha Glock, assessora de comunicação do movimento Integridade, integrante do Fórum Municipal de Entidades.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul está investigando as denúncias de que teria havido corrupção de vereadores na votação realizada em 12 de novembro de 2008 que aprovou a mudança da Lei Complementar 470/02. A mudança vai permitir a construção, nas margens do Guaíba, de edifícios residenciais na Ponta do Melo, área do antigo Estaleiro Só (por isso chamada de Pontal do Estaleiro).

A denúncia de compra de votos na Câmara de Vereadores de Porto Alegre atinge uma empresa que, até agora, não aparecia no noticiário. Trata-se da Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações, companhia aberta do chamado "novo mercado" que se caracteriza, justamente, pela transparência em sua linha de ação.


O empreendimento da Ponta do Melo tem aparecido nos meios de comunicação apenas sob a responsabilidade da BM Par cujo representante, em entrevista à imprensa, afirmou não ter nenhuma atividade na área de construção.


De fato, segundo o registro no Ofício de Registro de Imóveis da 5ª Zona da Comarca de Porto Alegre, na matrícula de número 35.877 consta que o prédio de número 2893 da Avenida Padre Cacique é de propriedade da BM Par Empreendimentos Ltda. Mas consta também que o terreno está hipotecado tendo como credora a Expand de Investimentos Imobiliários, com sede no Rio de Janeiro.


A Expand é uma subsidiária da Cyrela Brazil Realty S.A. que, por sua vez, tem uma joint venture com a empresa do ramo de construções Goldsztein. A informação foi confirmada em uma nota enviada por email pela assessoria da Goldsztein Cyrela. Em outra nota, a assessoria afirma: "A Goldsztein Cyrela, joint venture da Cyrela Brazil Realty, investirá no projeto desde que ele esteja de acordo com a lei municipal, seja viável e aprovado em todas as esferas pertinentes".

O Movimento Integridade enviou uma série de questionamentos para os responsáveis pela Cyrela Brazil Realty que, no entanto, não foram respondidos. Entre eles:

  1. Qual a participação da Cyrela, da Expand e/ou da Goldsztein Cyrela no lobby com os vereadores?
  2. Como essa denúncia de compra de votos dos vereadores afeta a Cyrela cuja ênfase em comunicação é baseada na transparência no novo mercado?
  3. Poderíamos ter acesso ao contrato da BM Par, Expand, Goldsztein Cyrela?

Ainda em resposta aos pedidos de entrevista feitos pelo Movimento Integridade, a BM Par enviou uma cópia do A PEDIDO publicado hoje na imprensa.


As respostas a estas perguntas poderão ajudar a entender por que a aprovação da mudança de uma lei na Câmara de Vereadores ocorreu de forma tão rápida, indo contra outras legislações vigentes e de importância fundamental para a cidade de Porto Alegre como o Estatuto da Cidade, a Lei Orgânica e o Plano Diretor.

Um comentário:

  1. A bancada do Pontal já leu a nota na tribuna da Câmara.
    O vereador nedel já se encarregou de agradecer o agrado dos "donos da orla"
    César

    http://www.contraponto.blog.br/blog_ind.php?id=62

    ResponderExcluir